AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 9 de junho de 2017

COM FADO E BOLOS SE ENGANAM OS TOLOS !

O coelho queria ser cantor e a cristas já o é ! só que gamar os portugueses é mais rentável
COM FADO E BOLOS SE ENGANAM OS TOLOS !

Carta aberta a ti, futuro médico


Espero que não te esqueças que não nasceste doutor, nasceste médico. Nasceste para uma função, não para um posto. Torço para que não cegues

Confesso que, ao olhar para ti, ainda tão novo, não tenho como não sentir um friozinho na barriga. Não me leves a mal. Sei que idade não é sinónimo de profissionalismo, mas os teus olhos ainda viram tão pouco. Ainda se espantarão com muitas histórias. Ainda não têm como as comparar. Ainda estão a descobrir. De qualquer forma, não é só proeminente a tua tenra idade. Também percebo que contigo mora a vontade, a ambição, o sonho. Em ti vive o mais importante. E isso, meu amigo, é tão poderoso, tão raro, tão valioso. 
É por te sentir assim que te escrevo. Preciso que me oiças, que me leias, que me decores. Porque eu faço parte daqueles que nunca estarão no teu lugar. Mas tu, um dia, estarás no nosso.
Escrevo então esta carta para te pedir uma coisa encarecidamente, mas antes deixa-me avisar-te que te chamarei “meu amigo”. Porque quando fores médico de alguém serás mais do que o teu currículo. Serás a consciência, serás o alento, serás a esperança. Não te assustes. Não terás de jantar com todos aqueles que te procurarem mas, se esta for a tua missão, o teu coração será naturalmente um coração cuidador. 
Eis o propósito destas palavras: 
Por favor, não te esqueças do motivo por que escolheste este caminho. Não te esqueças de ti a ansiar isto. Não te esqueças do desejo intrínseco e inexplicável de quereres salvar pessoas. Não te esqueças das pessoas. Não te esqueças que estás aqui por causa delas.
Sei que agora estás lúcido, sei que agora é tudo isto que queres, sei que sabes exatamente para onde caminhas. Não duvido de ti. Mas tu sabes também que, se não tivermos cuidado, a vida envelhece-nos não só em anos mas também em vontades. A vida amolece-nos os sonhos. É preciso relembrar o que nos fez querer. É preciso recorrer à memória da alma para nos lembrarmos porque os perseguimos. 
Guarda bem os teus motivos e volta a pensar sobre eles sempre que te estiveres a esquecer. Garanto-te que isso irá acontecer. Por vezes, esquecemo-nos.
Além deste pedido que te fiz, tenho outros. Desejo, verdadeiramente, que não te tornes apenas um senhor doutor e que, quando te perguntarem o nome completo nas bombas de gasolina para te passarem fatura, saibas dizer o teu nome de batismo. Espero que não te esqueças que não nasceste doutor, nasceste médico. Nasceste para uma função, não para um posto. Torço para que não cegues. Para que não cegues atrás do computador, para que não cegues com as certezas, para que nunca sejas só ciência, só fórmula, só estatística, para que saibas o nome de quem cuidas. Os amigos sabem sempre o nome uns dos outros. Decora os teus.
Espero que compreendas que quase todos aqueles que entrarem no teu consultório o farão de forma apreensiva. Espero que os recebas com simpatia e que, de alguma forma, te dês a conhecer. Confiarão a sua vida, não lhes faltes com um pouco de ti também. Lembra-te que, quando fores portador de más notícias, não dirás apenas um resultado. Trarás contigo a mudança de uma vida. As tuas palavras terão eco e eclodirão de uma forma que nunca poderás prever na mente e no coração de quem as ouve. Tudo aquilo que dirás (e a forma como o farás) terá um impacto absurdo neles. A forma como utilizas as palavras poderá ser mais marcante do que aquilo que terás efetivamente a dizer.
Peço-te também que sejas cuidadoso. Cuidado com aqueles que te disserem para não te entregares demasiado aos outros nem te envolveres emocionalmente com as pessoas com quem contactas. Esses conselhos poderão surgir de pessoas que admiras (as medalhas, os anos de serviço, o bom nome poderão iludir-te), e sim, tentarão convencer-te de que assim estarás protegido da dor. Como se a entrega fosse um perigo. Como se sentir compaixão fosse errado. Como se ser gente fosse contra os princípios da medicina. Os mesmos que ensinam sobre o funcionamento do coração poderão ser aqueles que te dirão para não usares o teu. Não te protejas. Aliás, é uma ilusão achares que tens como o fazer. 
Meu amigo: tenho a certeza de que encontrarás o equilíbrio. Tenho a certeza de que encontrarás paz mesmo nos momentos em que o teu esforço e vontade não forem suficientes para salvar a vida de quem precisa. Sei que saberás saborear cada vitória, da mesma maneira que conseguirás viver com as dores das tuas perdas. Sei que saberás ser médico se te colocares também no lugar do doente – porque eu faço parte daqueles que nunca estarão no teu lugar. Mas tu, um dia, estarás no nosso. 
Sê médico. Não doutor.


GUERRA é GUERRA ?


Francisco Chico da Emilinha

GUERRA é GUERRA ?
Ontem e por mor de fazer a tal de écu grafia, fui ao Porto, mais propriamente à Batalha, ali onde o V tem estátua de homenagens dos ARTISTAS da cidade.
Quando saí, fui-me sentar naqueles banquitos a fumar um cigarrinho em LIBERDADE, enquanto micava a fauna que por ali abunda, ao mesmo tempo que via passar algumas espécies interessantes ( pois, pois, adivinho no que pensaram) , pombas, pardais, gente, ok prontos tá bem, também umas bundas, lá se foi o ( ) .
Entretanto recebo um telefonema do Laboratório, tinha lá deixado 4.10 €, ai deixado - caíram-me do porta moedas, que é o bolso de trás, traz, traz, mas é pouco, lá fui buscar o arame.
Como tinha que vir para GAYA, pensei que indo um bocadito por Santa Catarina, descendo até aos Aliados, onde apanharia o 905, que tem uma paragem pertinho da palhota, seria boa ideia.
NÃO FOI ! !
Ao chegar aos ALIADOS deparo-me com as máquinas de GUERRA a ocuparem a zona central, seria isso o menos, face ao que se me foi dado verificar.
PAIS, sim eram pais a tirar fotos aos miúdos, ora encostados às máquinas de GUERRA, ora mesmo em cima delas, simulando disparos com aquela merda.
MAS QUE MERDA É ESTA ?
Vão explicar depois às crianças o que é a GUERRA, para que serve aquela merda, onde aparecerão nas fotos, para mais tarde recordar ?
Vão-lhes dizer que a GUERRA é feia, porca, má, FILHA DA PUTA MESMO ?
PUTA QUE PARIU lá isto.
Deu-me volta à barriga, fui ao GUARANY despejar o intestino, bem que li o AVISO...
– Estes WC é para uso exclusivo dos clientes do guarany, queria fazer o favor de pedir a chaves no balcão –
Um deles estava aberto, foi a minha sorte e a deles, embora antes de sair não deixasse de tomar 1€ de um abatanado de descafeinado, que me aqueceu a garganta, permitindo-me dar cabo de mais um prego, sentadinho numa soleira, enquanto esperava o bus que me trouxe a casa.
Ai Guarany, Guarany, onde a tantas bilharadas assisti quando era paquete, pois entre um recado e outro, estaria sempre muita gente à espera, advindo daí a demora, se me chamavam a atenção.
Mas não me saiu assim tão depressa da cabeça de pensar
– A PUTA DA ATRAÇÃO PELAS MÁQUINAS DE GUERRA –
Há pois, ia-me esquecendo AQUELA MERDA É PARA DEFESA, nunca para fazer a GUERRA a outros….
LEVEM É NAS PARTES BASÓFICAS DO CU – pá !
Mesmo e apesar da linguagem, não tirei nenhuma foto, mesmo POR DECORO INTERIOR.

A BARBATANA - um gif animado de António garrochinho


May dizia que se perdesse seis lugares, daria o lugar a Corbyn. Perdeu 12 e não se demite


LUSA/JON SUPER
Foto
Depois de ter anunciado a marcação de eleições legislativas antecipadas, a primeira-ministra britânica, Theresa May, explicou que queria reforçar e fortalecer a maioria para enfrentar as negociações com o “Brexit”. 

Porém, a líder dos conservadores ficou longe do objectivo, não alcançou a maioria absoluta e perdeu 12 assentos parlamentares. O dobro dos lugares da fasquia que ela própria estabeleceu durante a campanha.

A 20 de Maio, Theresa May garantia, num longo texto publicado no Facebook: “Se perder seis lugares, perderei estas eleições e Jeremy Corbyn vai sentar-se para negociar com os Presidentes, primeiros-ministros e chanceleres da Europa”. Era assim que começava a publicação em que, depois, a primeira-ministra elencava os argumentos para que os eleitores votassem nos Tories e não no Labour.
Os resultados eleitorais fizeram surgir uma onda de pedidos de demissão da primeira-ministra. Um dos primeiros foi Corbyn que, durante a manhã desta sexta-feira, apelou por mais do que uma vez a May, para que esta se retirasse de Downing Street. 
May, na sua primeira declaração pública desde que foram conhecidas as projecções, assegurou que não pretende entregar o poder. “Este país precisa de um período de estabilidade. Cabe-nos assegurar essa estabilidade e é exactamente isso que vamos fazer”, afirmou.


www.publico.pt

A OPINIÃO DE OUTROS


Luar Lu 

SOBRE E AINDA O INVESTIMENTO QUE PORTUGAL VAI EFECTUAR EM MATERIAL DE E PARA DEFESA. NACIONAL !..EM;..
"Oito baterias antiaéreas, dois radares de aviso e oito sistemas de mísseis ligeiros em viaturas blindadas. Tudo por 32 milhões de euros, a pagar pelo Estado português até 2026. Este é o investimento aprovado pelo Ministério da Defesa para dar resposta às lacunas atuais em caso de uma hipotética invasão ou ataque militar em Portugal."
(DEPOIS DOS SUBMARINOS QUE ACHAVAMOS QUE ATÉ PELO SEU CUSTO ESTAVAMOS PROTEGIDOS, AINDA NOS FALTA A LISTA ACIMA REFERIDA !
-“32 MILHÕES” para adquirir, sistema ou equipamento para defesa, de Portugal logo dos Portugueses!..uma perguntinha defender-nos de quem?..DA NATUREZA (literalmente ) ou a dos “HUMANOS” literalmente ?!
-O PP já não anda por ai mas deixou, filhos, afilhados, enteados, primos e tal… !
-PEGANDO NAS PALAVRAS DE “ISABEL JONET” presidente do banco alimentar contra a fome !
Portugal e os Portugueses tem que adquirir outros hábitos de consumos !...e…
“ os portugueses não podem comer bifes todos os dias se não houver dinheiro para isso. E a verdade é que estamos mesmo a comer menos bifes”
JÁ COMEÇO A PERCEBER A RAZÃO !..
Minha opinião:
Estes 32 milhões e outros desviados, camufulados, mal explicados e documentação desaparecida anteriormente para o mesmo destino, ( com equipamento que para nada serve nem sequer podemos dar uma voltita neles (submarinos) gratuitamente !...... acabava literalmente com o banco alimentar!...Daria para uns milhões de bifes para muitos e centenas de anos !...Não ?..não sei , mas tb não gosto de dar ideias!
Não sei que terrorismo sofre Portugal , se não temos petróleo, não fabricamos, e nem vendemos, armas, misseis, bombas e …..l !
JÁ SEI!!!, FEZ-SE LUZ ! É A FOME !
(A NATUREZA QUANDO AGREDIDA NÃO SE DEFENDE !...APENAS SE VINGA )

Jeremy Corbyn



E foi com este homem Jeremy Corbyn que os jornaleiros nacionais e e internacionais combateram ferozmente e que não seguindo as tradicionais políticas ultimamente cada vez mais à direita do PT inglês que o seu partido ganhou mais 30 deputados e retirou a maioria absoluta aos conservadores. Só prova que o PT e outros partidos semelhantes (não é preciso fazer o desenho) quando praticam políticas cada vez mais viradas para o grande capital perdem deputados e influência.
AG

Coutada



«Não se brinca com empresas cotadas», diz Eduardo Catroga. Mas o que parece que o chairman da EDP quereria realmente dizer é que «não se brinca com empresas-coutada» (mesmo quando, deduz-se, a dita «brincadeira» está relacionada com uma investigação judicial).

(Segundo o Priberamcoutada é uma «terra onde não se permite a caça por estar reservada para o proprietário», significando a palavra coutar o ato de «tornar defesa (uma propriedade) proibindo a entrada nela e dando-lhe certos privilégios». O Infopédia, da Porto Editora, define coutada como uma «mata onde se criava caça para os reis e senhores ou seus convidados»).

ladroesdebicicletas.blogspot.pt

Direito de resposta: Filha de Dinis Machado responde a António Lobo Antunes



Rita Machado sobre a crónica publicada na VISÃO nº 1263, de 18 de maio de 2017, com o título “Subsídios para a biografia de Dinis Machado”



Quando li esta crónica pela primeira vez, fiquei perplexa. Passa a ideia que o meu pai era um homem absurdo, inadequado e incongruente. Efetivamente tinha um lado que não se encaixava no mundo nem nos padrões das organizações sociais, era uma pessoa muito singular. Lembrei-me então do passado e da amizade profunda, que ele e o António tiveram. Na minha adolescência, o que eu via do António em relação ao meu pai, era admiração, orgulho. Frequentava a nossa casa e tinha fortes laços com os meus pais. Dedicou-lhes a “Memória de Elefante”. É verdade que apoiou o meu pai após morte da minha mãe e por isso lhe estou grata. Depois houve uma rutura e o meu pai sofreu com isso. Mas o estranho aqui é o conteúdo quase esquizofrénico desta crónica. Histórias inacreditáveis, ridicularização de pessoas mortas. O meu pai, que não passava por um indigente na rua sem lhe dar esmola, não recusaria um cigarro a ninguém. A minha bisavó tinha uma casa de prostitutas? Fiquei estupefacta. Pensei: Confunde realidade com ficção. É surreal. Mas, ficção ou realidade, são afirmações sobre a vida privada das pessoas que não se expõem nos media. São desprestigiantes e infames. Logo a palavra subsídios cheira a esmola, migalhas. Que levava toda a gente para casa? Não, o meu pai não era toda a gente, naquele tempo. Era um amigo muito chegado. Há um misto de afeto condescendente com menosprezo. O António não tem o direito, principalmente com a responsabilidade que o seu estatuto público lhe confere, de dizer o que lhe apetece, ignorando as repercussões, precisamente porque tem um impacto e credibilidade nas massas, acima do normal. Ridicularizar e caluniar a memória do meu pai, com a agravante de ser numa altura em que estava fragilizado.
Ridicularizar o meu tio. Ridicularizar a memória do fadista Alfredo Marceneiro. Caricaturar publicamente pessoas reais e já mortas, sem possibilidade de defesa, como personagens de ficção, porque não é admissível cruzar elementos biográficos, factuais, com a deriva ficcional que nos faz não saber onde estamos. Senti uma arrogância narcisista de olhar os outros de cima. De querer contar a história de um pobre coitado que ajudou em tempos, para gritar ao mundo a sua enorme grandiosidade humana e colocar-se muitos degraus de valor acima dos outros. Eu, como filha de um homem generoso, com um coração do tamanho do mundo, um talento genial, uma integridade absoluta e ao mesmo tempo uma simplicidade desarmante, que recusou cargos para subir na vida, recusou entrar nas máquinas dos lobbies das artes e da política, que viveu sempre de escrever e que despertava a maior admiração em quem o conhecia pela singularidade de uma personalidade rara e notável, não posso calar-me perante isto. Mas estes atributos não constam destes “subsídios para a biografia”. O meu pai tinha uma qualidade que eu considero a mais notável no mundo em que vivemos: Nunca se vendeu. E isso, sim, eleva-o acima de muita gente.


visao.sapo.pt

Restaurantes faturaram mais de três mil milhões em 2016



O segmento da comida rápida foi o que mais cresceu devido aos seus preços competitivos e às mudanças de hábitos alimentares da população.


O volume de negócios dos restaurantes ascendeu a 3730 milhões de euros, em 2016, o que correspondeu a um aumento de 2,2% face ao ano anterior. Esta é uma das conclusões do barómetro Informa D&B.
 .






























O segmento da comida rápida foi o que mais cresceu devido aos seus preços competitivos e às mudanças de hábitos alimentares da população. Em 2016 as vendas de este tipo de estabelecimentos registaram um crescimento de 7,6%, para 780 milhões de euros.

Tendo em conta que, as previsões a curto prazo para a economia portuguesa apontam para a continuação do crescimento do consumo privado, estudo diz que o mercado da restauração deverá atingir em 2017 um valor próximo dos 3800 milhões de euros (+1,9%), sendo expectável um aumento semelhante em 2018.

Segundo o estudo, a oferta do setor apresenta um grau de fragmentação elevado, predominando os operadores independentes e de pequena dimensão. “Contudo, aprecia-se uma tendência de concentração empresarial, impulsionada pelo avanço das principais cadeias de restaurantes, tanto de comida rápida como de restauração informal, as quais têm aumentado o seu peso no mercado nos últimos anos”, salienta.

Em 2015 operavam neste setor 28 610 empresas, aproximadamente menos 3000 do que as existentes em 2008. Estas empresas foram responsáveis por cerca de 114 000 postos de trabalho em 2014, com uma média de quatro trabalhadores por empresa.

Os cinco maiores operadores do setor por volume de negócios detinham em 2016 uma quota de mercado conjunta de 11%, enquanto a dos dez maiores rondava os 15%.

* Portugal deve ser o país europeu onde se come melhor, mais variado e barato. 




apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

09 de Junho de 68 d.C.- O Imperador Nero suicida-se


Quinto imperador romano, tornou-se infame pela sua vida de devassidão tendo perseguido ferozmente os cristãos.Lucius Domicius Aenobarbus, depois Nero Claudius Caesar Drusus Germanicus, era filho de Agripina, a Jovem ede Gneus Domitius Aenobarbus. Nasceu em Antium a 15 de Dezembro de 37 d. C., sendo adoptado por Cláudio em 50. Casou com Octávia, filha deste e de Messalina, em 53. Foi proclamado imperador quando Cláudio faleceu,a 13 de Outubro de 54. Era então aluno de Séneca. A sua autoridade apoiava-se nos pretorianos do prefeito Burro.No início do seu reinado é favorável ao Senado. Porém, algumas tragédias palacianas (como o assassinato de Britânico, filho de Cláudio) auguram mau futuro. Só com o assassínio de Agripina, em Março de 59 (ordenado pelo próprio), Nero governa pessoalmente, cada vez mais afastado de Séneca. Assume, então, o aspecto de um soberano helenístico.

Burro morre em 62. O novo prefeito do Pretório é Tigelino. Nessa altura, Nero inicia-se na religião mazdaísta e no culto do Sol-Rei.

Depois do incêndio de Roma, em 64 (reconstrução da Domus Transitoria ou Casa Dourada), atribuído a um propósito premeditado de Nero, eclodiu a Revolta de Pisão (65), na qual estava comprometida uma grande parte da aristocracia senatorial. A repressão é implacável.

Em 66, Nero vai para a Grécia, onde participa nos Jogos. No ano seguinte, é chamado a Roma, onde tem de enfrentar várias sublevações, como a de Julius Vindex, governador da Gália lionesa (província de Lugdunum,Gália) e depois a de Galba, governador da Tarraconense, na Hispânia, e ainda a de Otão, na Lusitânia. Em 68, a sua situação como imperador era insustentável. Galba, o governador da província Tarraconense, decide tomar a iniciativa e marchar contra Roma, à frente de um enorme exército. O Senado seguiu o rumo dos acontecimentos e declarou Nero persona non grata, o que na prática o considerava um inimigo público, e reconheceu Galba como o novo imperador. Sem apoio de nenhum dos quadrantes de Roma, Nero foi obrigado a fugir. Perseguido pela guarda pretoriana, acabou por se suicidar, auxiliado pelo seu secretário, a única pessoa que lhe permanecera fiel.

A veracidade das histórias sobre o reinado de Nero é duvidosa, pois não sobreviveram fontes bibliográficas contemporâneas ao imperador. As primeiras histórias existentes mostram-se críticas demais ou são uma série de louvores. Além disso, a credibilidade dos relatos fica também embaçada pela presença de acontecimentos fantásticos e inverossímeis, sendo muitas as contradições que podemos encontrar entre os diferentes autores. Alguns historiadores conhecidos, como Fábio Rústico, Clúvio Rufo e Plínio o Velho, escreveram condenando o reinado de Nero em relatos que se perderam. Também foram escritas histórias sobre ele, de datas anteriores à sua ascensão ao trono, embora se desconheça o seu conteúdo.Por outro lado, fontes diferentes às citadas acrescentam uma visão limitada  sobre o imperador, embora poucas sejam favoráveis. Algumas das fontes porém, retratam-no como um imperador competente e popular entre o povo romano, especialmente no Oriente.

Nero. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012.
Wikipedia (Imagens)
Ficheiro:Nero Glyptothek Munich 321.jpg


Ficheiro:Nero Agrippina aureus 54.png
Moeda com Nero e Agripina
Ficheiro:John William Waterhouse - The Remorse of the Emperor Nero after the Murder of his Mother.JPG
Os remorsos de Nero após o assassinato da sua mãe- John William Waterhouse

O Imperador Nero no Cinema

Quo Vadis 


Ficheiro:Poster - Quo Vadis (1951) 01.jpg

Quo Vadis é um filme épico de 1951 realizado por Mervyn LeRoy , a partir de um guião de John Lee Mahin , SN Behrman e Sonya Levien, cuja acção decorre entre os anos 64 e 68. O filme conta a história de um comandante militar romano, Marcus Vinicius ( Robert Taylor ) que regressa da  guerra e apaixona-se por uma cristã devota, Lygia ( Deborah Kerr ), e a pouco e pouco aproxima-se cada vez mais do cristianismo. A  história de amor é contada no contexto histórico do início do cristianismo e da perseguição de Nero ( Peter Ustinov). 

09 de Junho de 1870: Morre Charles Dickens


Escritor inglês nascido a 7 de fevereiro de 1812, em Landport, Portsmouth, e falecido a 8 de junho de 1870, em Gadshill, Rochester. Charles Dickens nasceu numa família modesta e foi obrigado a trabalhar, ainda criança, depois do pai ter sido preso por acumulação de dívidas. Nessa altura já vivia em Londres, para onde se mudou aos dois anos. Conseguiu fazer a instrução primária e foi então trabalhar como ajudante num escritório de advogados. Aos 18 anos, também fazia leituras públicas no Museu Britânico. Entretanto, tornou-se jornalista, tendo elaborado crónicas sobre o parlamento britânico e textos para jornais humorísticos.

Aos 21 anos iniciou a carreira de escritor, assinando contos e ensaios que eram publicados em jornais. Cinco anos mais tarde, escreveu o livro The Pickwick Papers (As Aventuras Extraordinárias do Senhor Pickwick) e tornou-se, desde logo, um autor de sucesso. Passou então a publicar romances através de folhetins mensais que se tornaram muito populares. Com este livro, nasceu um novo tipo de mercado para os escritores ingleses, propondo obras mais baratas.

Oliver Twist, uma das obras mais conhecidas de Dickens, também foi inicialmente publicada em fascículos, entre 1837 e 1839. Neste livro, conta a história de um rapaz a quem é escondida uma valiosa herança e que acaba por integrar um bando de jovens ladrões.

Seguiu-se Nicholas Nikelby, lançado entre 1838 e 1839, que conta a história de um rapaz em busca de fortuna. Este romance foi adaptado ao cinema, em 1948, por David Lean.

Em 1843, surgiu A Christmas carol (Cântico de Natal), que tornou famosa a personagem de Mr. Scrooge, nomeadamente através de diversas adaptações cinematográficas.

Em David Copperfield, acabado de publicar em 1850, Dickens aproveitou a sua experiência de trabalho numa fábrica para escrever a história.

Entre 1860 e 1861, publicou uma das suas últimas grandes obras, Great Expectations (Grandes Esperanças), onde conta a história de um órfão que é adotado por uma família rica e se torna um snob. Mas quando o seu protetor morre, tem de partir de novo do nada.

Inspirado na sua infância infeliz, Dickens lançou romances protagonizados por crianças, como David Copperfield,Hard Time (Tempos Difíceis) e Oliver Twist, onde estas são os heróis, mas onde há muito humor.

As suas obras denunciam a vida difícil do operário na sociedade industrial emergente e, em particular, a miséria das classes sociais mais baixas e a precariedade da infância, ao mesmo tempo que evidenciam uma arte narrativa caracterizada por uma grande penetração psicológica posta na composição dos caracteres.

Paralelamente à carreira de escritor, Charles Dickens viajou bastante fazendo campanha contra os males da sociedade. Dedicou-se também a dar conferências, nomeadamente nos Estados Unidos da América.

Depois de ter vivido em Londres, Itália, Suíça e França, Dickens estabeleceu-se em Gadshill (Inglaterra), em 1860, onde viria a morrer a 9 de junho de 1870.

Charles Dickens. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012.
wikipedia (imagens)

O jovem Charles Dickens - Daniel Maclise

O Sonho de Dickens - Robert William Buss
Esta obra representa Charles Dickens rodeado pelas personagens que criou

VÍDEO