domingo, 6 de agosto de 2017

DINO GRANDI O MINISTRO FASCISTA QUE DERRUBOU MUSSOLINI - o Golpe de 25 de julho que derrubou Mussolini


Prisão na Villa Savoia.

O Grande Conselho do Fascismo foi um órgão do Partito Nazionale Fascista (Partido Fascista), e depois um órgão constitucional do Reino da Itália pela Lei n. 2693 de 9 de dezembro de 1928.
 O Grande Conselho 

O Grande Conselho do Fascismo foi então criado informalmente no dia 11 de janeiro de 1923, em uma sala do Grand Hotel de Roma onde Mussolini estava hospedado, como o órgão supremo do Partido Fascista, e realizou a sua primeira sessão em 12 de janeiro de 1923.
Benito Mussolini, Presidente del Consiglio dei ministri del Regno d'Italia e Duce del Fascismo, anunciou com todo destaque em O Povo de Itália sua criação, mas nunca houve transparência nem sobre o ‘quando’ acontecia suas reuniões, nem se lá realmente era tratado assuntos de Estado, nem tão pouco quem tinha a palavra final, ou seja, quem decidia de facto.
As sessões, em portas fechadas, eram realizadas no Palazzo Venezia, em Roma, local da Presidência do Conselho de Ministros desde junho de 1923.
Deixou de ter funções deliberativas de forma eficaz quando foi criada a Camera dei Fasci e delle Corporazioni - Câmara de Fasci e Corporações -  em 19 de janeiro de 1939.
Camera dei Fasci e delle Corporazioni “portanto, se tornou o novo órgão legislativo do Reino da Itália, que substituiu a Câmara dos Deputados, de 1939 a 1943, ou seja, a Assembleia Legislativa do Reino da Itália durante o período fascista”.
Sua sede era no Palazzo Montecitorio, Piazza di Monte Citorio, um edifício histórico em Roma que hoje é sede Câmara dos Deputados da República Italiana.

Dino Grandi
O artífice do Golpe de 25 de julho de 1942 foi o advogado Dino Grandi, Conde di Mordano, nascido em uma família de latifundiários Romagna, na região administrativa de Emilia-Romagna, a mesma região de Mussolini, mais Il Duce nunca foi santo de sua missa.

Desde o começo das relações com os fascistas (aderiu aos Camisas Negras aos 25 anos) sempre tentou minara autoridade de Mussolini, a ponto de convidar secretamente a Gabriele D'Annunzio, Principe di Montenevoso, escritor, poeta, dramaturgo, aviador, militar, político nacionalista, jornalista italiano e Herói de Guerra, para substitui-lo como Duce del Fascismo.
Oposicionista ferrenho a Mussolini sempre o quis derrubar, mas foi derrotado pelo Duce no Congresso fascista de 7 de novembro 1921, em Roma, mas “Dino Grandi era um aliado aos grupos fascistas mais violentos e radicais, sempre cercado de membros dos Camisas Negras, e com eles, no verão do mesmo 1921, o reprimiu a liderança rebelde do “Squadrismo Agrario”, as Esquadras fascistas que atuavam violentamente no campo, em julho de 1922, para a seguir, com  2.000 homens, ocupar militarmente  Ravenna .

Dino Grandi foi um dos 35 representantes fascistas eleitos, junto com Mussolini, em maio de 1921 para a Câmara dos Deputados do Reino de Itália.
Na “Marcha sobre Roma”, de 28 de outubro de 1922, na qual os fascistas tomaram o poder da Itália, Grandi não estava na cabeça do movimento como provam as fotos. 
Lo stato maggiore fascista in prima fila (da sinistra a destra: Emilio De Bono, Michele Bianchi, Benito Mussolini, Cesare Maria De Vecchi e Italo Balbo) durante la marcia su Roma
Grandi foi:

1-      Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros de 1924 a 1929;
2-      Ministro das Relações Exteriores de 1929 a 1932;
3-      Embaixador no Reino Unido de 1932 até 1939;
4-      Ministro da Justiça em 30 de novembro 1939;
5-       Presidente da Câmara de Fasci e corporações.
Durante essas funções sempre apoiou e foi apoiado por anti-mussolinianos, pessoas que faziam oposição a Mussolini.

Dino Grandi gostava de ser visto como um grande negociador internacional, com relações internacionais de elevado nível, e nunca perdoou a Mussolini pela a ascensão de Galeazzo Ciano, genro do Duce, casado com sua filha predileta Edda, a condição de Ministro das Relações Exteriores. 

Grandi desprezava, até fisicamente, os outros “Gerarchi del fascismo”, principalmente os de origens humildes, e para deles se diferenciar convenceu ao fraco Rei Vittorio Emanuelle III a elevá-lo a Conde, Conde di Mordano (Mordano era sua cidade natal) em 1937, e mais tarde, em 1943, de concedê-lo o Colar da Ordine supremo della Santissima Annunziata – a mais alta honraria da Casa de Savoia, que no Reino da Itália tinha a equivalência a Ordem da Jarreteira da Inglaterra, e o que fazia dele “um primo do Rei " ( in seguito ebbe il Collare dell'Annunziata , con la conseguenza di diventare «cugino del Re»).  

Diante dessas manifestações, Mussolini o enviou para lutar na frente grega, o que gerou mais ódio em Grandi contra o Duce.

O advogado Dino Grandi, agora Conde di Mordano, intuiu (ou recebeu algo para afirmar essa derrota frente aos Aliados) que o Eixo ia perder a Guerra, e começou a trabalhar para que a Itália abandonasse a luta, mas para isso era fundamental depor Mussolini, pois “Mussolini = fascismo, e vice-versa”, já que o Duce estava comprometido até a medula com os erros do Regime Fascista.

Grandi escreveu em seus diários, alguns meses antes de 25 de julho:

"Nós é que, independentemente do inimigo, devemos provar que somos capazes de recuperar nossa liberdade perdida. ... Ditadura de Mussolini, o fascismo, devem se sacrificar ... deveriam "cometer suicídio", demonstrando que eles sacrificam por seu amor pela Nação”.
Vejam:

Feito pelo Fascismo, queria se livrar do Fascismo para sobreviver politicamente, numa atitude que o qualifica claramente como um trânsfuga, um traidor, um desertor das linhas fascistas.

“Grandi, na verdade, assumiu publicamente seu ódio eterno, antagonismo eterno, contra o Duce, dando assim vazão a seu ressentimento rasteiro, que foi aumentando de forma lenta, e que o havia acompanhado por toda sua carreira”.

Era a hora da vingança, de jogar contra seu eterno rival toda a fúria contida nesses anos de subordinação.
Além do que acreditava que por suas relações internacionais de alto nível seria o escolhido para liderar o Novo Regime.

Usou o Rei Vittorio Emanuelle III, a principessa Maria Jose, Sua Altezza Reale la Principessa del Piemonte, mulher de Umberto II di Savoia, o Herdeiro do Trono, a Galeazzo Ciano (filho de Costanzo Ciano, Conde di Cortellazzo e di Buccar, um Almirante-herói, genro do Duce e primo do Rei pelo Colar da Annunziata), a Santa Sé, o Vaticano, na pessoa do Monsenhor Giovanni Battista Montini, o futuro Paulo VI, a Giuseppe Bottai, e alguns outros.

Dino Grandi, agora Conde di Mordano, como o Presidente da Câmara pediu uma audiência ao Rei Vittorio Emanuelle III, um ser depressível, que não tinha nenhum poder de facto, pois havia cedido todos ao Duce, mas que ainda era referência nacional e internacional, e conseguiu em 4 de junho de 1943.
Nela explicou seu plano – que incluía a prisão imediata do Duce - para depor a Benito Mussolini, Presidente del Consiglio dei ministri del Regno d'Italia e Duce del Fascismo, e o Rei cavilosamente diz que “ Só o Parlamento ou o Grande Conselho podiam mostrar a ele o caminho a seguir”.

Palavras dúbias, mas que para bom entendedor bastavam, o Rei aprovava o Golpe.

Então, Grandi redigi L'ordine del giorno Grandi - talvolta indicato come mozione Grandi -     Ordem do Dia de Grandi, ou Moção Grandi – de 24 de julho de 1943, que levou a Queda de Mussolini.
A reunião do Gran Consiglio del Fascismo, a última de sua história.

Para que o Golpe desse certo se faziam necessário:

1-      Colocar em prática o que rezava no Lo Statuto del Regno o Statuto Fondamentale della Monarchia di Savoia del 4 marzo 1848 (noto come Statuto Albertino);

2-      Por ele "restaurar" os poderes constitucionais do Rei;

3-      Por ele retirar o Comando Supremo das Forças Armadas de Mussolini e entregá-lo aquém de direito pelo artigo 5, o Rei;

4-      Por ele reconhecer que o Rei, somente o Rei, como Chefe de Estado pode tomar todas as decisões sobre o futuro da Guerra, da Paz, e do Reino de Itália;

Com o reestabelecimento do Poder do Rei, a prisão de Mussolini, o desmanche do Regime Fascista, acreditava Grandi que as “ coisas’” se resolveriam, que não haveria uma invasão maciça da Itália pelos Aliados, que uma Paz com honra seria assinada, que a Monarquia estava assegurada, e que o único instrumento para conseguir isso TUDO era o Grande Conselho que foi, portanto, utilizado precisamente para estas finalidades.

Haveria um governo de restruturação nacional tendo ele como Capo, a Líder, o Cabeça, e isso seria a sua vitória final sobre o seu arquirrival, Benito Mussolini.
Instado a convocar o Grande Conselho, Mussolini respondeu:

“Si dirà in campo nemico che si è radunato per discutere la capitolazione. Ma l'adunerò. »
T.L.:

"Bem, eu vou convocar o Grande Conselho. Será dito no campo inimigo que se reuniram para discutir a capitulação. Mas vou reunir. »
O Ditador com as entranhas sendo comidas por uma ulcera – que alguns afirmam que já era um câncer- tinha perdido totalmente o senso da realidade, acreditava nas bazofias do derrotado Hitler, tinha perdido o tino político, o faro para antever as crises, e não percebeu o Golpe que lhe estavam preparando.

Mussolini na abertura falou de Guerra e de Paz da seção as 17 horas do dia 24 de agosto de 1943:
"Agora surge o problema. Guerra ou paz? Rendição incondicional ou resistência até o amargo fim? ... Eu declaro claramente que a Inglaterra não faz guerra contra o fascismo, mas contra a Itália. Inglaterra deseja um século à sua frente manter as suas cinco refeições diárias. Quer ocupar a Itália, mantê-la ocupada. E então somos obrigados a acordos. Pacta sunt servanda. »
Pacta sunt servanda significa "os pactos devem ser respeitados" ou mesmo "os acordos devem ser cumpridos". É um princípio base do Direito Civil e do Direito Internacional.

Ao que Galeazzo Ciano, o genro em desgraça, diz:
“Pacta sunt servanda? Sim, certamente, mas, quando existe um mínimo de lealdade, pelo outro lado. E em vez disso, nós italianos é que sempre respeitamos os acordos, os alemães nunca. Em suma, a nossa lealdade não era correspondida. Nós não seremos, em qualquer caso, os traidores, mas o traído. »

Os ânimos esquentam, e Grandi fala, fala, fala, para convencer a todos.

Grandi falou que era essencial restaurar "todas as funções do Estado" e convidou o Duce para devolver o comando das Forças Armadas para o Rei.
Mussolini inexpressivo, parecendo ausente, declarou que não tinha nenhuma intenção de desistir do comando militar.
E com isso começou o debate que durou até onze da noite, lembrado que a reunião começou a 17 horas, 5 horas da tarde.

Grandi ressaltou que Mussolini abdicado de seus poderes militares seria "isento de responsabilidades militares" e, ao mesmo tempo, a Monarquia, o Rei, seria chamada, seria chamado, para ação, para agir ", desenhando assim, sem os outros perceberem a embocada para a Queda de Mussolini.

Os Membros do Conselho não perceberam as enormes consequências teria um eventual voto a favor do regime em conjunto, Fascismo & Monarquia, proposto pelo ardiloso Dono Grandi, que a boca pequena afirmava que sentia vergonha de ter sido confundido com um deles, com um fascista de carteirinha.
Todos olharam para Mussolini:
 
O chefe de governo não expressou uma opinião, adotou uma atitude passiva, e esta decisão de "desligamento" foi crucial e marcou uma mudança decisiva o resultado da reunião.

A votação começou de maneira não habitual, já que começou por Dino Grandi, Conde di Mordano, Presidente da Câmara dos Deputados, e a “votação da Ordem do Dia Grandi terminou com:

1-      19 votos a favor (Dino Grandi, Giuseppe Bottai , Luigi Federzoni , Galeazzo Ciano , Cesare Maria De Vecchi , Alfredo De Marsico , Umberto Albini , Giacomo Acerbo , Dino Alfieri , Giovanni Marinelli , Carluccio Pareschi , Emilio De Bono , Edmondo Rossoni , Giuseppe Bastianini , Annio Bignardi , Alberto De Stefani , Luciano Gottardi , Giovanni Balella e Tullio Cianetti que no dia seguinte ele escreveu a Mussolini retratando seu voto;

2-      8 votos contra (Carlo Scorza , Secretário do PNF, Buffarini-Guido Guidi , Enzo Galbiati , comandante da milícia, Carlo Alberto Biggini , Gaetano Polverelli , Ministro da Cultura Popular, Antonino Tringali Casanova , o presidente do Tribunal Especial, Ettore Frattari , Confederação dos Empregadores Trabalhar Agricultura e Roberto Farinacci ;

3-      Um abstenbção (Giacomo Suardo).
Disposição no dia da votação. 

Essa votação “de facto aprovou a destituição de Mussolini de seus cargos no governo, mas não tinha valor nenhum, uma vez que por Lei, o chefe do governo era responsável por suas ações somente antes ao Rei, ao Soberano, que era o único que o podia legalmente o demitir”.
Mais, na Itália, como no Brasil, as coisas nunca são realmente como são ...Bem, deixa pra lá...
As 2:40 d’amanhã os trabalhos foram encerrados.
       Vittorio Emanuele III con re Alberto I del Belgio. 

No dia seguinte, 25 de julho, Mussolini foi para Villa Savoia***, acompanhado do secretário Nicola De Cesare, com uma pasta contendo a Moção Grandi, que não tinha nenhum valor legal, já que o Grande conselho era um mero corpo consultivo, desde em 19 de janeiro de 1939, com a criação da Camera dei Fasci e delle Corporazioni, e outros documentos.

Vittorio Emanuelle III, que sempre detestou Mussolini e que o aceitava para não perder o Trono até aquele momento, e vice-versa (o Duce, segundo o Diário do Conde Ciano, o chamava de testa di cazzo – cabeça de caralho), não quis saber desse blábláblá, e comunicou a Mussolini que ele seria substituído pelo Marechal Pietro Badoglio, Marquês de Sabotino e Duque de Addis Abeba.

O Rei afirmou que “garantia a sua segurança, mas Mussolini ainda não estava ciente das reais intenções do monarca, e de que duzentos policiais cercavam o edifício”.

Quando Mussolini saiu da presença de Vittorio Emanuelle III, já no pátio, o capitano dei carabinieri Paolo Vigneri, encarregado de prender o agora ex- Duce, o cercou juntamente com três suboficiais dos Carabinieri (Bertuzzi, Gianfriglia e Zenon), todos autorizados em caso de necessidade a utilizar as armas, e lhe deu voz de prisão em nome do Rei.
O colocaram em uma Ambulância Militar e isso é outra história.

“ Somente às 22h45 o rádio interrompeu as transmissões para espalhar a seguinte declaração:
"Sua Majestade o Rei e Imperador aceitou a renúncia do cargo de Chefe de governo, o Primeiro-ministro, o Secretário de Estado, de Sua Excelência il Cavaliere Benito Mussolini, e nomeando como Chefe do Governo, Primeiro-Ministro, Secretário de Estado, il Cavaliere o Marechal da Itália, Pietro Badoglio. »

Foi um baque geral, baque muito maior foi para o trânsfuga Dino Grandi que não foi nomeado Chefe do Governo, Primeiro-Ministro, Secretário de Estado.

Marechal Pietro Badoglio, Marquês de Sabotino e Duque de Addis Abeba.

Mais, assim se conta a História do Golpe de Estado de 25 de julho de 1942 que derrubou o Regime Fascista na Itália em guerra.

 
Nota:
O advogado Dino Grandi, Conde di Mordano imediatamente depois da queda de Mussolini, refugiou-se em Espanha em agosto 1943.

O advogado Dino Grandi, Conde di Mordano, foi condenado à morte por sua participação no Golpe de 25 de julho de 1942, em ausência, no Processo de Verona, que durou de 8 até 10 de janeiro de 1944, no território da República Social Italiana.

Nesse processo, também, foram condenados por traição pelo mesmo motivo e fuzilados:
Galeazzo Ciano, Emilio De Bono, Luciano Gottardi, Giovanni Marinelli e Carlo Pareschi Condenados ausentes:

Giuseppe Bottai , Luigi Federzoni , Cesare Maria De Vecchi , Umberto Albini , Giacomo Acerbo , Dino Alfieri , Giuseppe Bastianini , Annio Bignardi , John Balella , Alfredo De Marsico , Alberto De Stefani e Edmondo Rossoni , e todos sobreviveram à Segunda Guerra Mundial .

Galeazzo Ciano olha para trás antes de ser fuzilado com os companheiros.

“Em setembro de 1943, uma decisão de Franklin Delano Roosevelt, Presidente dos Estados Unidos, vetou sua candidatura em novos cargos no governo que marca o fim da carreira política de Dino Grandi”. (Dino Grandi, Biografia dal sito della Camera dei deputati)
No mesmo ano, mudou-se para Portugal, onde viveu até 1948.

Na década de cinquenta do século XXX se tornou consultor das autoridades norte-americanas, em particular da embaixadora em Roma, Clare Boothe Luce, a primeira mulher americana nomeado para um importante cargo de embaixador no estrangeiro.
Foi intermediário dos industriais italianos junto aos industriais norte americano, na formação de uma política de comércio entre a Itália e os EUA.

Mudou para a América Latina, “para a Argentina, em seguida, São Paulo, Brasil, até a década de 1960, onde os moradores dos Jardins o viam caminhando pela Avenida Cidade Jardim”.

“ Segundo alguns, Dino Grandi era um senhor alto, corpulento e de olhos rasgados, mas não sabiam muita coisa sobre esse vizinho porque raramente ele se dispunha a falar”.
“Voltou para a Itália para abrir uma fazenda modelo no campo de Modena”.

“ Dino Grandi faleceu em Bolonha, no dia 21 de maio de 1988, com 93 anos de idade”.
“ Coincidentemente, Grandi morreu no mesmo fim de semana que dois líderes fascistas italianos pós-guerra: Pino Romualdi (no mesmo dia) e Giorgio Almirante (no dia seguinte) ”.
 
Dino Grandi foi um oportunista político, sua única filosofia política era a de se dar bem, seja qual for o regime
Fotos:

Mussolini ricevuto dal cardinal Gasparri
o destaque vermelho é sobre Dino Grandi
Mussolini sottoscrive l’accordo, isso é o Tratado de Latrão, ratificado em 7 de junho de 1929, dando fim à "Questão Romana". Os tratos consistiam em três documentos:

1.     Um reconhecimento total da soberania da Santa Sé no estado do Vaticano.

2.     Uma concordata regulando a posição da religião católica no Estado.

3.     Uma convenção financeira acordando a liquidação definitiva das reivindicações da Santa Sé por suas perdas territoriais (Estados Pontifícios) e de propriedade.
o destaque vermelho é sobre Dino Grandi

Sono presenti, tra gli altri, il ministro della giustizia Alfredo Rocco, il sottosegretario alla presidenza del Consiglio Francesco Giunta, il sottosegretario agli Esteri Dino Grandi. Foto ainda do Tratado de Latrão.
                    o destaque vermelho é sobre Dino Grandi

Vila Torlonia, casamento de Edda com Ciano em 24 de abril de 1930, o destaque vermelho é sobre Dino Grandi:

Dino Grandi 
com o Rei e a Rainha Helena no Vaticano 
Os Reis no Vaticano com Dino Grandi: 
tor Emanuel III da Itália (Vittorio Emanuele Ferdinando Maria Gennaro di Savoia) nasceu em Nápoles, 11 de novembro de 1869, e faleceu na cidade de Alexandria, no Egito, no dia 28 de dezembro de 1947, foi o Rei de Itália de 1900 a 1946.

Com a Titularidade:

Vítor Emanuel, o Terceiro, por graça de Deus, Rei da Itália, Imperador da Etiópia, Rei da Sardenha, Albânia, Chipre, Jerusalém, Armênia, Duque de Saboia, Conde de Maurienne, Marquês (do Sacro-Império Romano) na Itália; Príncipe de Piemonte, Carignano, Oneglia, Poirino, Trino; Príncipe e Vigário Perpétuo do Sacro-Império Romano; Príncipe da Carmagnola, Montmellian com Arbin e Francin, Príncipe de Bailliff do Ducado de Aosta , Príncipe de Chieri , Dronero , Crescentino , Riva di Chieri e Banna, Busca , Bene , Brà , Duque de Genoa , Monferrat , Aosta , Duque de Chablais , Genevois , Duque de Piacenza , Marquês de Saluzzo (Saluces), Ivrea , Susa , del Tegerone, Migliabruna e Motturone, Cavallermaggiore , Marene , Modane e Lanslebourg , Livorno Ferraris , Santhià Agliè , Centallo e Demonte , Desana , Ghemme , Vigone , Conde de Barge , Villafranca , Ginevra , Nizza , Tenda , Romont , Asti , Alessandria , do Goceano , Novara , Tortona , Bobbio , Soissons , Sant'Antioco , Pollenzo , Roccabruna , Tricerro , Bairo , Ozega , deo Apertole, Barão de Vaud e do Faucigni , Senhor de Vercelli , Pinerolo , da Lomellina , da Valle Sesia , Marquês de Ceva , Overlord de Mõnaco , Roccabruna e 11/12th de Menton , Nobre Patrício de Veneza e Ferrara.

Casou com

Helena de Montenegro, Elena del Montenegro, nata Jelena Petrović-Njegoš e, dopo il matrimonio, nota come Elena di Savoia, nasceu em Cetinje,capital do Reino de Montenegro, hoje uma cidade da República de Montenegro, capital do município de mesmo nome, que está localizada na península dos Bálcãs, no dia  8 de janeiro de 1873, e faleceu em Montpellier, no departamento de Hérault (que é a prefeitura) ea região Languedoc-Roussillon, França, no dia 28 de novembro de 1952, uma das filhas do Rei Nicolau I de Montenegro e da sua esposa, Milena Vukotić.
Pelo seu casamento com Vítor Emanuel III, era também Rainha-consorte de Itália, e ‘consorte’ dos outros Títulos do marido real.
 Edda com Adhemar de Barros, então Interventor de São Paulo, em 1939.



***A Villa Savoia, hoje é a Villa Ada, o segundo maior parque público em Roma depois de Villa Doria Pamphili. Ela está localizada na parte norte da cidade, na Via Salaria entre os bairros Trieste e Parioli.

conversandoalegrementesobrehistoria.blogspot.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário